19.12.16

Resenha: O visconde que me amava - Julia Quinn

Título: O visconde que me amava
Título Original: The Viscount Who Loved Me
Autor(a): Julia Quinn
Coleção: Os Bridgertons #2
Gênero: Literatura Estrangeira - Romance de Época
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Ano: 2013
ISBN: 978-858-041-197-3
Comprar: Compare e Compre
Avaliação:
Sinopse
A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será
Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.
Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.
Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.
Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.
Considerada a Jane Austen contemporânea, Julia Quinn mantém, neste segundo livro da série Os Bridgertons, o senso de humor e a capacidade de despertar emoções que lhe permitem construir personagens carismáticos e histórias inesquecíveis.
Resenhas do livro anterior:
1 - O duque e eu
Resenha

     Com o início da temporada de bailes 1814, as mamães casamenteiras não vêem a hora de casarem suas filhas, de preferência, com um rapaz com algum título ou muito rico. Com exceção de Lady Bridgerton. Não que ela não desejasse ver seus filhos e filhas casados, mas, diferente da maioria das mamães casamenteiras, ela sempre motivava eles a se casarem por amor


     O mais cobiçado do ano é o mais velho dos filhos de Lady Bridgerton, Anthony, que além de ser um visconde, é charmoso, elegante, muito bonito e ainda pertence a uma das famílias mais admiradas de Londres. Nessa temporada, ele acaba surpreendendo a todos ao anunciar que pretende abandonar a vida de libertino e que irá procurar uma jovem para levar ao altar. Contudo, haviam três condições: primeiro, ela tinha que ser razoavelmente atraente; segundo, não poderia ser burra; e terceiro, essa era a mais importante, não poderia ser alguém por quem ele pudesse se apaixonar de verdade. 

     Além de ser considerada o diamante da temporada, Edwina Sheffield se encaixa em todas as suas exigências, inclusive a última delas. Ela é linda, encantadora, amava ler e não era alguém que ele se apaixonaria. Pronto, perfeita para ele!

    No entanto, para desposá-la, primeiro Anthony terá que provar a Kate que ele não é mais um libertino e que merece a mão da irmã dela – que havia anunciado que só se casaria com alguém que a irmã mais velha tivesse aprovado. Porém, Kate torna as coisas mais difíceis para o Bridgerton, pois ela não acredita nenhum pouco que um libertino possa se transformar, de uma hora para a outra, em um bom rapaz. Para ela, um libertino sempre seria um libertino.
“Ele é tipo de homem que nos duas deveríamos evitar a qualquer custo. Deve ser capaz de seduzir até um iceberg.”
    Porém, decidida a fazer de tudo para manter as garras dele longe da irmã, Kate acaba conhecendo-o melhor e vendo nele características que não estariam presentes caso ele ainda fosse um libertino. Contrariando sua má fama, ele era gentil, educado, cavalheiro e até carinhoso. Logo, não tão logo assim, ela começa a perceber que o motivo dela ainda ser contra Anthony se casar com Edwina, era porque ela o deseja para si. Para ser seu esposo e amá-lo para sempre. Kate sempre sonhara em se casar por amor, alias, havia sido criada rodeada por esse sentimento, e embora nunca houvesse passado por sua cabeça amar um ex-libertino, ela passa a pensar nessa possibilidade. Bem... caso esse libertino fosse certo visconde encantador que agora ela conhecia melhor. 


     Enquanto isso, Anthony também passa a vê-la com outros olhos – além dos que a via apenas como teimosa, mandona e irritante. Quando aqueles lábios, que só o insultavam, haviam se tornado tão beijáveis? Quando Ela se tornara tão divertida e espirituosa? Ou, melhor, como ele não havia percebido tudo isso antes?

Estaria tudo bem, se não fosse o fato de que, no caso de Kate, ele já não tem certeza se a última e mais importante das exigências seria cumprida. 

***

    Como eu agradeço por ter escolhido Os Bridgertons como porta de entrada para os romances de época. O que antes era um gênero que eu não gostava de forma alguma, se tornou um dos meus preferidos apenas com dois livros lidos. Com sua escrita maravilhosa, cheia de humor, ironia e emoção, Julia Quinn conseguiu me envolver a ponto de fazer com que eu me sentisse nos bailes londrinos do século XIX. Senti que tudo aquilo que estava lendo havia acontecido séculos atrás, pois conseguia enxergar tudo muito claramente. 

    Não há como não se encantar pela família Bridgerton. Mesmo tendo personalidades bem diferentes, todos possuem um amor e carinho incontável pela família, pois ela era, para cada um, mais importante que tudo.

    Confesso que eu estava com um pouco de receio em relação a esse segundo livro, pois no livro anterior, O Duque e Eu, não havia formado uma boa imagem de Anthony, que havia mostrado-se muito possessivo e protetor. Felizmente, Quinn conseguiu desfazer essa minha visão sobre ele. Nesse livro, que o temos como protagonista, percebi que ele era educado, divertido e muito gentil. Além disso, possui umas "ideias"/"pensamentos", um pouco bizarros mas, que emociona bastante o leitor. Não, ele não tornou-se uma cara perfeito! No entanto, levando-se em conta a época, chega próximo a isso. Embora o machismo tenha me irritado muito, vejo que nesse caso é um ponto positivo, pois mostra que a autora soube representar muito bem esse mal da sociedade.


    Ainda considerando a época – é preciso fazer isso sempre –, Kate é uma jovem sensacional. Cheia de atitude e personalidade forte, ela me encheu de orgulho. Além disso, ela tem várias características em comum com o visconde, tornando-os um belo casal. Ambos são muito inteligentes, perspicazes, e adoram e valorizam muito a família. O romance é de arrancar o fôlego e muitas risadas. Mas também, vários “awns” e lágrimas.
“Ás vezes, existem razões para os nossos medos que nos não conseguimos explicar. Pode ser só uma sensação, algo que sabemos que é verdade mas que pareceria infantil a outra pessoa.”
    Outro ponto positivo é a famosa Lady Wistledown. A coluna de críticas continua animando a sociedade e deixando a leitura do livro ainda mais leve e divertida. Sempre muito sincera, a crítica mais famosa de Londres vem fazendo com que muitos a odeiem, mas também, caros leitores, essa autora tem muitos fãs que a admiram muito. Embora seja de forma anônima, sua ironia, humor e sinceridade faz com que gostamos dela. Sem contar que a curiosidade em descobrir quem é essa pessoa deixa o leitor ainda mais animados em continuar a série.

    O romance é muito envolvente e emocionante; realizei a leitura em apenas um dia, simplesmente NÃO conseguia parar! Em nenhum mísero minuto a leitura se torna maçante, nem mesmo quando se trata de grandes partes que contenham apenas narrações. Até porque, mesmo nos pensamentos, os personagens são divertidos.

    Embora eu tenha percebido que há muito em comum com o livro anterior, como se a base fosse a mesma, o final é maravilhoso!

    O Visconde que me amava está indicado! Para os amantes de romances de época que ainda não iniciaram a série – o que é difícil –, indico que leiam. Já. E se, mesmo não gostando muito do gênero, tiver se interessado, vale a pena levar em conta minha dica, leve sempre em consideração a época e o trabalho da autora ao representá-lo – que em minha opinião foi um ótimo trabalho. 

Resenhas dos próximos livros:
3 - Um Perfeito Cavalheiro

24 comentários

  1. Amo Os Bridgertons é uma serie maravilhosa. Minha preferida é a Hyacinth. O livro dela é sensacional.
    Espero que goste dos próximos.
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já li até o do Colin e amei TODOS até agora! haha Aaah, ela é muito divertida, então imagina que o dela seja muito bem humorado. ❤❤

      Excluir
  2. Olá, Catrine. Eu ganhei um livro dessa série em um evento, se não me engano foi o primeiro. Estou bem ansiosa para ele chegar e eu realizar a leitura, vejo muitas pessoas falando bem da história e narrativa da Julia Quinn.
    Fico feliz que a autora tenha conseguido fazer você gostar de romances de época, esse gênero é maravilhoso e têm livros incríveis. Adorei a sua resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que goste. Embora eu não consiga imaginar alguém que goste do gênero não se apaixonar pelos livros dela. hahah

      Excluir
  3. Catrine, eu espero ano que vem ter a oportunidade de conhecer um pouco dessa série, afinal, esse ano li muitas resenhas enumerando as qualidades dela. Romances de época são interessantes e quando trazem um bom enredo ficam irresistíveis. Mesmo voce estando no segundo volume já deu pra perceber o quanto vc está gostando. Adorei a resenha.

    *☆* Atraentemente *☆*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou amandooo! Espero que tenha essa oportunidade, a escrita da Quinn é completamente encantador, espero que goste tanto quanto eu.

      Excluir
  4. Eu sou apaixonada por esse gênero literário e essa série me deixa completamente ansiosa para a leitura. Tenho certeza de que vou amar os livros e as capas são todas muito bonitas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se eu que não gostava do gênero me apaixonei pela série, então para quem já goste deve ser ainda mais encantadora. :)

      Excluir
  5. Engraçado, a premissa desses livros me lembra bastante Jane Austen, mas, não sei por que, não consigo me interessar por essa série!! Não sei o que acontece! Sempre vejo várias pessoas falando bem, mas não me interesso. =(
    Uma pena.
    Bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Quinn é conhecida como a Austen moderna! kkk Mas como nunca li nada da Austen...
      Que pena que não se interessa. :/

      Excluir
  6. Agora que finalmente publicaram o último livro da série pretendo adquirir todos!!!!!!!! <3 Eu amo romances de época e fiquei um tantinho preocupada com a questão do machismo que você citou na resenha sobre o primeiro livro, mas acredito que assim como você eu supero. hahaha :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiz a bobeira de não comprar todos com medo de não gostar! kkkk Mas, em breve...
      Olha, o machismo incomoda bastante, mas como sabemos, era ainda mais presente naquela época. Logo, mostra que a Quinn conseguiu representar muito bem. Da raiva, sim, mas era (é) a realidade mostrada. haha

      Excluir
  7. Oi, Catrine! Que bom ter mudando de ideia sobre o gênero, infelizmente, até tentei ler e quem sabe apreciar, mas comigo não rolou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No meu caso deu certo! haha Estou até buscando começar a me arriscar mais.

      Excluir
  8. Olá =) Não sou muito fã de romance de época. Legal que em apenas dois livros você mudou sua opinião e começou a gostar. Já li muitos elogio a essa série. Bom saber que é um romance envolvente e emocionante. Apesar de não curti muito romance de época vou anotar a dica, pois sua resenha me conquistou. Beijos'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que te conquistou! haha se um dia tiver a oportunidade e decidir ler, espero que goste. :)

      Excluir
  9. Julia Quinn diva com essa série. Realmente foi uma boa porta de entrada. Não tem como não se apaixonar por essa família encantadora e única. Quando comecei a ler esse livro, fiquei. Com receio de não ser solidária com Antony, mas Julia soube desenvolver o personagem na medida certa e mudar nossas impressões sobre ele. Um encanto!
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Divonaaa!
      Não tem mesmo. Que família!!! haha

      Excluir
  10. Oie, primeiro parabens pela resenha tao completa!! :) Ha tempos q me interesso em ler algum livro da autora, mas n sabia por onde começar, esse parece ser uma boa opção, ainda mais depois de voce ter lido em apenas um dia haha obrigado pela dica!

    Att,

    Tiago Valente ( http://avidalida.blogspot.com )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaa, Tiago! :) A série é ótimo, espero que a autora te conquiste tanto quanto me encantou.

      Excluir
  11. Olá, tudo bem? Sou fã fissurada em romance de época e Julia Quinn foi minha porta de entrada mas em livros físicos (já lia muito via internet). O Visconde Que Me Amava é um dos meus favoritos porque absolutamente amo a Kate e tudo que ela faz haha Que bom que adoro <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há uns meses atrás eu nem sonhava em dizer isso, amor também estou apaixondaaa pelo gênero!kkkkk
      Aaah, aquela Kate ❤❤

      Excluir
  12. Oie,
    Essa é uma série maravilhosa. Mas não estou disposta a ler. kkk
    São muitos livros e muito drama, pelo menos para agora. Sem dúvida a Quin tem uma escrita incrível, mas dessa vez eu passo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São muitos mesmo! Mas com essa escrita eu mal vejo passar o tempo. Que pena que não está disposta. haha

      Excluir

Muito obrigada pela visita, espero que tenha gostado!
Opiniões, sugestões, críticas... fiquem a vontade.❤❤

Design por: Adorável Design

Adaptação por: Estante Mineira